O que é: Último inimigo a ser destruído, conforme mencionado em Coríntios?

O que é: Último inimigo a ser destruído, conforme mencionado em Coríntios?

Na primeira carta aos Coríntios, no capítulo 15, versículo 26, o apóstolo Paulo menciona o “último inimigo a ser destruído”. Essa expressão tem gerado diferentes interpretações e debates entre estudiosos da Bíblia ao longo dos séculos. Neste glossário, vamos explorar o significado dessa frase e suas possíveis interpretações dentro do contexto bíblico.

Contexto Bíblico

Para entender o que é o “último inimigo a ser destruído”, é importante analisar o contexto em que essa frase foi mencionada. No capítulo 15 de Coríntios, Paulo está discorrendo sobre a ressurreição dos mortos e a vitória sobre a morte através de Jesus Cristo. Ele afirma que, assim como Cristo ressuscitou, todos os que estão em Cristo também ressuscitarão.

Paulo argumenta que a morte é o resultado do pecado e que, através da morte e ressurreição de Jesus, o poder da morte foi derrotado. Ele cita o Salmo 110:1 para afirmar que Jesus reinará até que todos os seus inimigos sejam colocados debaixo de seus pés, incluindo o último inimigo a ser destruído.

Interpretações

Existem diferentes interpretações sobre quem é o “último inimigo a ser destruído” mencionado por Paulo em Coríntios. Alguns estudiosos acreditam que se refere à morte física, que será vencida definitivamente na ressurreição dos mortos. Outros interpretam como uma referência ao diabo, que será derrotado no final dos tempos.

Outra interpretação é que o “último inimigo a ser destruído” é o próprio pecado. Nessa visão, a morte física e o diabo são consequências do pecado, e a vitória sobre o pecado é o que trará a destruição final desses inimigos. Essa interpretação está alinhada com a mensagem central do Evangelho, que é a libertação do pecado e a reconciliação com Deus.

Significado Teológico

Independentemente da interpretação específica, o conceito do “último inimigo a ser destruído” tem um significado teológico profundo. Ele aponta para a vitória final de Deus sobre todas as formas de maldade e o estabelecimento do seu reino eterno. Essa vitória é possível através do sacrifício de Jesus Cristo na cruz e da sua ressurreição, que inaugurou a nova criação.

Essa vitória sobre o último inimigo também está relacionada com a esperança cristã na vida eterna. A destruição da morte e do pecado significa que os crentes em Jesus terão a vida eterna ao lado de Deus, em um estado de plenitude e perfeição. Essa esperança é uma fonte de consolo e encorajamento para os cristãos ao enfrentarem as dificuldades e desafios da vida terrena.

Aplicação Prática

Além de seu significado teológico, a menção do “último inimigo a ser destruído” em Coríntios também tem uma aplicação prática para a vida dos cristãos. Ela nos lembra da importância de vivermos em constante comunhão com Deus e de nos mantermos firmes na fé, mesmo diante das adversidades.

Essa menção também nos encoraja a vivermos com esperança e confiança na vitória final de Deus sobre todas as formas de maldade. Ela nos lembra que, mesmo que enfrentemos a morte física ou tenhamos que lidar com as consequências do pecado, podemos ter a certeza de que Deus é maior do que qualquer inimigo e que a vitória final já foi conquistada por meio de Jesus Cristo.

Conclusão

O “último inimigo a ser destruído”, mencionado por Paulo em Coríntios, é um conceito teológico profundo que aponta para a vitória final de Deus sobre todas as formas de maldade. Embora existam diferentes interpretações sobre quem é esse último inimigo, todas elas estão alinhadas com a mensagem central do Evangelho: a vitória sobre o pecado e a morte através de Jesus Cristo. Essa vitória traz esperança e consolo para os cristãos, que podem viver com a certeza de que a vida eterna ao lado de Deus está garantida.