O que é: Sucessão apostólica e sua base bíblica?

O que é: Sucessão apostólica e sua base bíblica?

A sucessão apostólica é um conceito fundamental dentro do cristianismo, especialmente nas tradições católica, ortodoxa e anglicana. Ela se refere à continuidade da autoridade apostólica, ou seja, a transmissão dos poderes e responsabilidades dos apóstolos de Jesus Cristo aos seus sucessores ao longo dos séculos. Essa sucessão é considerada essencial para a validade dos sacramentos e para a preservação da doutrina e da tradição cristã. Neste glossário, exploraremos em detalhes o que é a sucessão apostólica, sua base bíblica e sua importância para a fé cristã.

Autoridade apostólica e sua transmissão

A autoridade apostólica é entendida como a autoridade dada por Jesus Cristo aos doze apóstolos durante seu ministério terreno. Essa autoridade incluía a capacidade de ensinar, batizar, perdoar pecados e administrar os sacramentos. Após a morte e ressurreição de Jesus, os apóstolos foram encarregados de continuar sua obra e espalhar o evangelho pelo mundo. A sucessão apostólica é o meio pelo qual essa autoridade é transmitida de geração em geração, garantindo a continuidade da Igreja e a validade dos sacramentos.

Base bíblica da sucessão apostólica

A base bíblica para a sucessão apostólica pode ser encontrada em várias passagens do Novo Testamento. Um exemplo importante é a escolha de Matias para substituir Judas Iscariotes como apóstolo, conforme descrito em Atos dos Apóstolos. Os apóstolos lançaram sortes para escolher o substituto de Judas, demonstrando que a sucessão apostólica era uma prática estabelecida desde o início da Igreja.

Outra passagem relevante é a promessa de Jesus a Pedro, registrado em Mateus 16:18-19. Jesus disse a Pedro: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus, e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus”. Essa passagem é interpretada pelas tradições católica e ortodoxa como uma indicação de que Pedro seria o primeiro papa e que seus sucessores teriam autoridade sobre a Igreja.

A importância da sucessão apostólica

A sucessão apostólica é considerada de extrema importância para a fé cristã, pois garante a continuidade da autoridade apostólica e a preservação da doutrina e da tradição. Através da sucessão apostólica, a Igreja é capaz de traçar sua linhagem até os apóstolos e, consequentemente, até Jesus Cristo. Isso confere legitimidade aos líderes da Igreja e aos sacramentos por eles administrados.

Além disso, a sucessão apostólica é vista como uma salvaguarda contra a heresia e a corrupção doutrinária. Acredita-se que os sucessores dos apóstolos têm a responsabilidade de preservar e transmitir fielmente o ensinamento de Jesus Cristo, evitando desvios e distorções. Essa continuidade é especialmente valorizada nas tradições católica e ortodoxa, que consideram a Igreja como uma instituição divinamente estabelecida e guiada pelo Espírito Santo.

Críticas à sucessão apostólica

Apesar de sua importância para muitas tradições cristãs, a sucessão apostólica também é alvo de críticas. Alguns argumentam que a ideia de uma sucessão ininterrupta desde os apóstolos é baseada em interpretações seletivas da Bíblia e na tradição eclesiástica. Eles questionam a validade da sucessão apostólica como uma necessidade para a fé cristã e argumentam que a autoridade apostólica pode ser encontrada diretamente nas Escrituras, sem a necessidade de uma linhagem ininterrupta de sucessores.

Outra crítica comum é a acusação de que a sucessão apostólica pode levar a uma concentração excessiva de poder nas mãos de uma elite eclesiástica. Alguns argumentam que a ênfase na sucessão apostólica pode levar a uma hierarquia rígida e a uma falta de participação e responsabilidade dos fiéis leigos. Essas críticas são especialmente relevantes em um contexto em que a autoridade da Igreja é questionada e em que se busca uma maior participação e inclusão dos fiéis.

Conclusão

Em resumo, a sucessão apostólica é um conceito central para muitas tradições cristãs, especialmente as católica, ortodoxa e anglicana. Ela se refere à transmissão da autoridade apostólica ao longo dos séculos, garantindo a continuidade da Igreja e a validade dos sacramentos. A base bíblica para a sucessão apostólica pode ser encontrada em várias passagens do Novo Testamento, e sua importância reside na preservação da doutrina e da tradição cristã. No entanto, a sucessão apostólica também é alvo de críticas, que questionam sua validade e apontam para possíveis abusos de poder. Em última análise, a compreensão e a aceitação da sucessão apostólica dependem da perspectiva teológica e eclesiástica de cada indivíduo e comunidade cristã.