O que é: Quais eram as festas celebradas por Israel e seus significados?

O que é: Quais eram as festas celebradas por Israel e seus significados?

Israel é um país com uma rica tradição cultural e religiosa, e as festas celebradas por seu povo desempenham um papel fundamental na preservação de sua identidade e crenças. Essas festas têm raízes antigas e são celebradas até os dias de hoje, com significados profundos e simbólicos. Neste glossário, exploraremos algumas das principais festas celebradas por Israel e seus significados.

Páscoa (Pessach)

A Páscoa, ou Pessach em hebraico, é uma das festas mais importantes para o povo judeu. Ela comemora a libertação dos israelitas da escravidão no Egito, conforme descrito no livro de Êxodo da Bíblia. Durante a Páscoa, os judeus realizam uma série de rituais e cerimônias, incluindo a limpeza completa de suas casas para remover qualquer vestígio de fermento, o consumo de alimentos simbólicos, como o matzá (pão ázimo), e a leitura da Hagadá, um livro que conta a história da libertação do Egito.

Shavuot

Shavuot é uma festa que celebra a entrega da Torá, os cinco primeiros livros da Bíblia, no Monte Sinai. É uma festa de alegria e gratidão, na qual os judeus expressam sua devoção à Palavra de Deus. Durante Shavuot, é comum a leitura do Livro de Rute, que conta a história de uma mulher que se converteu ao judaísmo e se tornou a bisavó do rei Davi. Além disso, é tradição comer produtos lácteos durante essa festa, simbolizando a doçura da Torá.

Rosh Hashaná

Rosh Hashaná é o Ano Novo judaico e marca o início de um período de reflexão e arrependimento chamado de Dez Dias de Arrependimento, que culmina no Yom Kipur. Durante Rosh Hashaná, os judeus participam de serviços religiosos especiais, ouvem o toque do shofar (um instrumento de sopro feito de chifre de carneiro) e compartilham refeições festivas com suas famílias. É um momento de introspecção, no qual os judeus refletem sobre suas ações do ano anterior e fazem planos para melhorar no próximo ano.

Iom Kipur

Iom Kipur, também conhecido como o Dia do Perdão, é considerado o dia mais sagrado do calendário judaico. É um dia de jejum e oração, no qual os judeus buscam o perdão de Deus por seus pecados e se comprometem a melhorar como indivíduos. Durante Iom Kipur, as sinagogas estão cheias de fiéis que participam de serviços religiosos especiais, incluindo a leitura do Livro de Jonas, que fala sobre arrependimento e perdão.

Sucot

Sucot é uma festa que celebra a proteção divina durante a jornada dos israelitas pelo deserto, após sua libertação do Egito. Durante essa festa, os judeus constroem cabanas temporárias, chamadas de sucás, e passam sete dias nelas, comendo e dormindo lá. Essas cabanas são decoradas com frutas, folhas e outros elementos naturais, simbolizando a dependência de Deus e a gratidão pela colheita. Sucot é uma festa alegre, na qual os judeus se reúnem em família e compartilham refeições festivas.

Hanucá

Hanucá, também conhecida como Festa das Luzes, é uma festa que celebra a vitória dos judeus sobre os gregos e a rededicação do Templo de Jerusalém. Durante oito dias, os judeus acendem uma vela a mais na menorá (candelabro de nove braços) a cada noite, simbolizando o milagre do azeite que durou oito dias. Além disso, é comum jogar o dreidel, um pião com letras hebraicas que representam a frase “Um grande milagre aconteceu aqui”. Hanucá é uma festa alegre, na qual os judeus celebram a liberdade religiosa e a preservação de sua fé.

Purim

Purim é uma festa que celebra a salvação dos judeus da destruição planejada por Hamã, um oficial do Império Persa. Durante Purim, os judeus leem o Livro de Ester, que conta a história de como a rainha Ester interveio para salvar seu povo. É comum se fantasiar durante essa festa, simbolizando a ocultação do rosto de Deus nos eventos descritos no livro. Além disso, é tradição dar presentes de comida, chamados de mishloach manot, para amigos e familiares, e doar para os necessitados.

Tu Bishvat

Tu Bishvat é uma festa que celebra o Ano Novo das Árvores. Durante essa festa, os judeus expressam sua gratidão pela natureza e sua conexão com a terra. É comum realizar um sedar, uma refeição festiva na qual são consumidos diferentes tipos de frutas e nozes, simbolizando a diversidade da natureza. Além disso, muitos judeus plantam árvores ou participam de atividades de reflorestamento como forma de contribuir para a preservação do meio ambiente.

Lag Baomer

Lag Baomer é uma festa que celebra o fim de uma praga que assolou os discípulos do rabino Akiva durante o período do Omer, uma contagem de 49 dias entre a Páscoa e o Shavuot. Durante Lag Baomer, é comum acender fogueiras, fazer piqueniques e realizar atividades ao ar livre, como forma de celebrar a alegria e a liberdade. É também um dia importante para os judeus ortodoxos, pois marca o aniversário da morte do rabino Shimon bar Yochai, autor do Zohar, o principal livro da Cabala.

Tishá B’Av

Tishá B’Av é um dia de jejum e luto que marca a destruição dos dois Templos de Jerusalém, o primeiro pelos babilônios em 586 a.C. e o segundo pelos romanos em 70 d.C. Durante Tishá B’Av, os judeus se abstêm de comer e beber, e participam de serviços religiosos especiais, nos quais são lidas as Lamentações de Jeremias, um livro que descreve a destruição de Jerusalém. É um dia de reflexão e tristeza, no qual os judeus lembram as tragédias que ocorreram ao longo da história.

Semana Santa Judaica

A Semana Santa Judaica, também conhecida como Pessach, é uma semana de celebrações que marca a libertação dos israelitas da escravidão no Egito. Durante essa semana, os judeus realizam uma série de rituais e cerimônias, incluindo a limpeza completa de suas casas para remover qualquer vestígio de fermento, o consumo de alimentos simbólicos, como o matzá (pão ázimo), e a leitura da Hagadá, um livro que conta a história da libertação do Egito. É uma semana de reflexão e gratidão, na qual os judeus reafirmam sua fé e sua conexão com sua história e tradições.

Sukkot

Sukkot, também conhecida como Festa dos Tabernáculos, é uma festa que celebra a proteção divina durante a jornada dos israelitas pelo deserto, após sua libertação do Egito. Durante essa festa, os judeus constroem cabanas temporárias, chamadas de sucás, e passam sete dias nelas, comendo e dormindo lá. Essas cabanas são decoradas com frutas, folhas e outros elementos naturais, simbolizando a dependência de Deus e a gratidão pela colheita. Sukkot é uma festa alegre, na qual os judeus se reúnem em família e compartilham refeições festivas.

Simchat Torá

Simchat Torá é uma festa que celebra a conclusão anual da leitura da Torá e o início de um novo ciclo de leitura. Durante Simchat Torá, os rolos da Torá são retirados das arca sagrada e dançados ao redor da sinagoga, enquanto os fiéis cantam e celebram. É um momento de alegria e renovação, no qual os judeus expressam sua devoção à Palavra de Deus e sua gratidão por terem acesso a ela.

Hanucá

Hanucá, também conhecida como Festa das Luzes, é uma festa que celebra a vitória dos judeus sobre os gregos e a rededicação do Templo de Jerusalém. Durante oito dias, os judeus acendem uma vela a mais na menorá (candelabro de nove braços) a cada noite, simbolizando o milagre do azeite que durou oito dias. Além disso, é comum jogar o dreidel, um pião com letras hebraicas que representam a frase “Um grande milagre aconteceu aqui”. Hanucá é uma festa alegre, na qual os judeus celebram a liberdade religiosa e a preservação de sua fé.

Purim

Purim é uma festa que celebra a salvação dos judeus da destruição planejada por Hamã, um oficial do Império Persa. Durante Purim, os judeus leem o Livro de Ester, que conta a história de como a rainha Ester interveio para salvar seu povo. É comum se fantasiar durante essa festa, simbolizando a ocultação do rosto de Deus nos eventos descritos no livro. Além disso, é tradição dar presentes de comida, chamados de mishloach manot, para amigos e familiares, e doar para os necessitados.

Tu Bishvat

Tu Bishvat é uma festa que celebra o Ano Novo das Árvores. Durante essa festa, os judeus expressam sua gratidão pela natureza e sua conexão com a terra. É comum realizar um sedar, uma refeição festiva na qual são consumidos diferentes tipos de frutas e nozes, simbolizando a diversidade da natureza. Além disso, muitos judeus plantam árvores ou participam de atividades de reflorestamento como forma de contribuir para a preservação do meio ambiente.

Lag Baomer

Lag Baomer é uma festa que celebra o fim de uma praga que assolou os discípulos do rabino Akiva durante o período do Omer, uma contagem de 49 dias entre a Páscoa e o Shavuot. Durante Lag Baomer, é comum acender fogueiras, fazer piqueniques e realizar atividades ao ar livre, como forma de celebrar a alegria e a liberdade. É também um dia importante para os judeus ortodoxos, pois marca o aniversário da morte do rabino Shimon bar Yochai, autor do Zohar, o principal livro da Cabala.

Tishá B’Av

Tishá B’Av é um dia de jejum e luto que marca a destruição dos dois Templos de Jerusalém, o primeiro pelos babilônios em 586 a.C. e o segundo pelos romanos em 70 d.C. Durante Tishá B’Av, os judeus se abstêm de comer e beber, e participam de serviços religiosos especiais, nos quais são lidas as Lamentações de Jeremias, um livro que descreve a destruição de Jerusalém. É um dia de reflexão e tristeza, no qual os judeus lembram as tragédias que ocorreram ao longo da história.