O que é: Prática do jejum no Antigo e Novo Testamento?

O que é: Prática do jejum no Antigo e Novo Testamento?

O jejum é uma prática espiritual que tem sido realizada há milhares de anos em várias religiões e culturas ao redor do mundo. No contexto do Antigo e Novo Testamento, o jejum é mencionado como uma forma de buscar a Deus, expressar arrependimento, buscar orientação divina e fortalecer a fé. Neste glossário, exploraremos em detalhes o significado e a importância do jejum no Antigo e Novo Testamento.

Jejum no Antigo Testamento

No Antigo Testamento, o jejum era uma prática comum entre os israelitas. Era uma forma de se humilhar diante de Deus, buscar perdão pelos pecados e buscar a Sua orientação. O jejum era frequentemente associado a momentos de luto, arrependimento e súplica a Deus. Era uma maneira de demonstrar a Deus que eles estavam dispostos a renunciar às necessidades físicas em busca de uma comunhão mais profunda com Ele.

Um exemplo notável de jejum no Antigo Testamento é encontrado no livro de Jonas. Quando a cidade de Nínive estava prestes a ser destruída por causa de sua maldade, o profeta Jonas foi enviado por Deus para advertir o povo. Em resposta à mensagem de Jonas, o rei de Nínive e seu povo jejuaram e se arrependeram de seus pecados. Deus viu a sinceridade de seu arrependimento e decidiu não destruir a cidade. Esse episódio ilustra como o jejum pode ser uma forma de buscar a misericórdia e o perdão de Deus.

Jejum no Novo Testamento

No Novo Testamento, Jesus Cristo falou sobre o jejum em várias ocasiões. Ele ensinou que o jejum não deve ser uma mera demonstração externa de piedade, mas sim uma expressão sincera de busca espiritual. Jesus advertiu contra o jejum hipócrita, onde as pessoas jejuavam para serem vistas pelos outros, em vez de buscar a Deus de todo o coração.

Jesus também jejuou durante seu ministério terreno. Antes de iniciar seu ministério público, ele jejuou por 40 dias e 40 noites no deserto, onde foi tentado pelo diabo. Esse episódio mostra a importância do jejum como uma forma de se preparar espiritualmente para enfrentar desafios e tentações.

Benefícios espirituais do jejum

O jejum no Antigo e Novo Testamento tinha vários benefícios espirituais. Primeiro, o jejum era uma forma de se humilhar diante de Deus e reconhecer a sua dependência Dele. Ao jejuar, as pessoas renunciavam às suas necessidades físicas e buscavam a Deus de todo o coração.

Além disso, o jejum era uma forma de buscar orientação divina. Muitas vezes, as pessoas jejuavam quando enfrentavam decisões importantes ou quando precisavam de sabedoria e direção de Deus. Jejuar era uma maneira de demonstrar a Deus que eles estavam dispostos a sacrificar suas necessidades físicas em busca de Sua vontade.

O jejum também era uma forma de expressar arrependimento pelos pecados. Ao jejuar, as pessoas demonstravam a Deus que estavam dispostas a renunciar aos prazeres e necessidades físicas como um sinal de seu desejo de se afastar do pecado e buscar a santidade.

Jejum como prática espiritual hoje

Embora o jejum seja uma prática que remonta aos tempos bíblicos, ainda é relevante nos dias de hoje. Muitos cristãos continuam a jejuar como uma forma de buscar a Deus, fortalecer sua fé e buscar orientação divina.

No entanto, é importante notar que o jejum não é uma obrigação para os cristãos. Jesus nunca impôs o jejum como uma regra obrigatória, mas sim como uma prática espiritual que pode ser benéfica quando realizada com sinceridade e devoção.

Além disso, o jejum não é apenas uma abstinência de comida, mas também pode envolver a abstinência de outras coisas que são importantes para nós. Pode ser uma abstinência de entretenimento, redes sociais, ou qualquer outra coisa que nos distraia de buscar a Deus de todo o coração.

Conclusão

O jejum no Antigo e Novo Testamento era uma prática espiritual importante que tinha vários significados e propósitos. Era uma forma de buscar a Deus, expressar arrependimento, buscar orientação divina e fortalecer a fé. Embora o jejum não seja uma obrigação para os cristãos, muitos ainda o praticam como uma forma de buscar a Deus de todo o coração. O jejum não é apenas uma abstinência de comida, mas também pode envolver a abstinência de outras coisas que nos distraem de buscar a Deus. Que possamos buscar a Deus com sinceridade e devoção, seja através do jejum ou de outras práticas espirituais.